Hipnose Clínica

Utilize os fantásticos recursos que possui!

A definição de hipnose é fundamental para a investigação científica, mas o esforço para definir a hipnose de diferentes perspetivas teóricas deu origem à controvérsia quanto ao significado “real” da hipnose. As discordâncias são essencialmente por duas razões: em primeiro lugar a natureza e os mecanismos que fundamentam os efeitos da hipnose não são ainda totalmente conhecidos; em segundo lugar, as definições com viés teórico levarão inevitavelmente a argumentos sobre a sua exatidão. Por exemplo, alguns têm definido hipnose como um “Procedimento” e ao mesmo tempo outros definiram-no como um “Produto” de um procedimento. Embora a intenção destas diferentes abordagens ter sido a de identificar uma definição operacional, levou a uma confusão sobre o que é o significado da palavra hipnose, bem como a definição de outros termos como indução hipnótica, hipnoterapia e o significado de uma nova palavra hipnotizabilidade.
A Divisão 30 da American Psychological Association (APA) abordou esta controvérsia em duas definições anteriores de hipnose (1993 e 2003). No entanto, nenhuma destas definições anteriores resultou numa definição clara e concisa dos termos, dando assim origem à necessidade de uma definição revista. São discutidas as implicações para o avanço da pesquisa e prática. As definições para a hipnose, indução hipnótica e hipnotizabilidade são apresentadas a seguir. A comissão reconheceu que, seguindo determinadas diretrizes, faria sentido ter uma abordagem diferente da que foi adotada no passado pela Divisão de APA 30; no entanto, aprendendo com as definições anteriores, foi enfatizado como realizar a tarefa de dirigir críticas anteriores e recomendações.
A comissão foi capaz de alcançar com sucesso um consenso e a 24 de março de 2014 a definição revista foi aprovado por unanimidade pelos membros presentes da comissão executiva.
A comissão executiva é constituída pelos seguintes autores: Arreed F. Barabasz, Marianne Barabasz, Gary R. Elkins, Joseph Verde, John Mohl, Omar Sanchez-Armass, Donald Moss, Conselho R. James, Eric Wilmarth, Leonard Milling, Guy Montgomery, Stephanie Schilder, e Ciara Christensen. As definições aprovadas estão listadas abaixo, juntamente com um breve comentário para cada uma delas.

Hipnose

– “Um estado de consciência que envolve atenção focada e consciência periférica reduzida, caracterizada por uma maior capacidade para a resposta à sugestão.” A inscrição para simplesmente identificar o objeto de interesse (hipnose) e suas características, permite teorias alternativas dos mecanismos (a serem determinados em estudos científicos), bem como pergunta se o “estado de consciência” é de facto alterado e de consciência desperta, similar a outros estados (i.e., meditação, mindfulness, yoga) ou é exclusivo para a hipnose.

Indução hipnótica

– “Um procedimento destinado a induzir a hipnose.” Ao definir intencionalmente indução hipnótica, o HDC procurou distinguir entre hipnose (o produto) e procedimentos que são concebidos para conduzir a hipnose. Tal definição é generalizada de maneira que não especifica quais os procedimentos que podem estar envolvidos ou o contexto em que podem ocorrer. Isso permite os procedimentos que envolvem a interação entre terapeuta e cliente, procedimentos de auto-hipnose ou outro procedimento que pode ser identificado na prática clínica de pesquisa (como através de avanços na tecnologia).

Hipnotizabilidade

– “A habilidade de um indivíduo em experimentar sugestões, alterações na fisiologia, sensações, emoções, pensamentos ou comportamento durante a hipnose. “O termo hipnotizabilidade foi escolhido em detrimento de outros termos relacionados (como sugestionabilidade, suscetibilidade hipnótica ou transe) para melhor refletir as preferências atuais de investigadores. Por exemplo, uma pesquisa de membros da Sociedade de Hipnose Clínica e Experimental revelou uma forte preferência pelo termo hipnotizabilidade (50%) e hipnose como um estado identificável (Christensen, 2005).
Reconhece-se que existe uma pesquisa que indica que existem diferenças individuais na capacidade para interiorizar sugestões durante a hipnose. Foram várias as escalas desenvolvidas para medir as diferenças individuais (Barber & Wilson, 1978; Elkins, 2013; Spiegel & Spiegel, 2004; Weitzenhoffer & Hilgard, 1959, 1962; Wilson & Barber, 1978). Definição e medição estão inter-relacionadas na investigação científica e ambos são essenciais para a promoção e estudo empírico da hipnose.

Hipnoterapia

– “O uso de hipnose no tratamento de um ato médico, distúrbio ou preocupação psicológica. O HDC reconhece que a hipnose tem sido aplicada a numerosos distúrbios e é provável que a pesquisa continue a identificar novas aplicações e conhecimento sobre o uso da hipnose no tratamento. No entanto, a criação de uma lista de aplicações é, em si, limitante. A identificação de “distúrbio ou preocupação médica ou psicológica” é muito ampla e engloba todas as disciplinas de cuidados de saúde, não se limitando a um diagnóstico específico ou qualquer preocupação na ausência do mesmo.
As definições procuram esclarecer os termos que são essenciais para o avanço da investigação e prática clínica em hipnose. Em crítica às anteriores definições, Nash (2005) comentou que “A compreensão científica é avançada por definir o domínio de interesse com um ideal, resolução de definição que não é nem muito estreito, nem muito largo “(p. 277). Ao trabalhar em direção a esse objetivo, temos de procurar separar a definição de hipnose do debate do estado atual do conhecimento. Futuras pesquisas serão necessárias para identificar completamente as aplicações clínicas e mecanismos que podem estar subjacentes à hipnose, sejam elas sociais, cognitivas, neurobiológicas, interpessoais, uma combinação destas ou alguns fatores ainda não descobertos.

Porquê usar a Hipnose?

A hipnose apresenta uma inquestionável eficiência, demonstrada por vários pesquisadores em áreas como a psicologia, odontologia, imunologia, controlo da dor e outros. Por outro lado, ainda subsistem inúmeras dúvidas, nomeadamente no plano epistemológico. Assim sendo, o estudo da hipnose como processo psicoterapêutico ainda traz alguma polémica para a psiquiatria, pela grande contradição subjacente à sua proposta de intervenção. A cada ano aumenta visivelmente o número de investigações sobre o tema, mas sobretudo os resultados absolutamente notáveis na resolução das principais síndromas e resolução de perturbações psicológicas. Isso
tem impulsionado o aconselhamento do uso da hipnose e tem servido também como suporte da sua eficácia. Na realidade, após comprovados os seus promissores resultados na sua prática clínica e hospitalar, a hipnose vem sendo há vários anos aplicada em grande parte da Europa e nos Estados Unidos nas mais variadas situações de saúde. Ou seja, a procura por novas soluções na psicoterapia e de melhores e mais naturais métodos de cura que respeitam a individualidade holística do indivíduo, está cada vez mais centrada em abordagens de terapia breve, natural e altamente eficaz. Tudo isso tem ajudado à introdução prática da hipnose na saúde e o seu premente estudo na área das neurociências.

Também a Lugar Seguro apoia a investigação na área da hipnose clínica, tendo no seu quadro clínico terapeutas a desenvolver investigação em diversas áreas nomeadamente na área da depressão, uma das perturbações do século.
Os resultados obtidos com o recurso à hipnose clínica são comprovados também pela taxa de sucesso excelente que os nossos pacientes apresentam e que têm vindo a partilhar com os seus testemunhos. Experimente também e reencontre o equilíbrio e/ou felicidade que deseja!

Esperamos por Si…com o Sorriso de Sempre!
Fonte: International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis Gary R. Elkins, Arreed F. Barabasz, James R. Council & David Spiegel (2015) Advancing Research and Practice: The Revised APA Division 30 Definition of Hypnosis, International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis, 63:1, 1-9, DOI: